Dança do ventre

A origem da Dança do Ventre é bastante polêmica, onde são muitas as versões e contradições. Uma das hipóteses mais aceitas é que ela tenha se originado no Antigo Egito vinda de rituais ligados à fertilidade da terra e da mulher.
Originalmente o nome da Dança do Ventre é Racks el Sharqi, cujo significado do árabe é Dança do Leste. Posteriormente este nome foi traduzido pelos franceses como Danse du Ventre e pelos norte-americanos como Belly Dance.
    Chegou ao Brasil, portanto, como Dança do Ventre, ou Dança Oriental Árabe ou ainda Dança do Leste que seria a forma mais correta de chamá-la, de acordo com a tradução do árabe para o português.
Segundo SHAHRAZAD, a pioneira da Dança do Ventre no Brasil, Dança do Leste foi o nome dado a esta dança porque “significa onde o sol nasce, de onde a mulher recebe as energias e o poder do Sol”.
    O caráter religioso da Dança do Ventre, a qual era realizada em rituais sagrados em homenagens a deusas, modificou-se. Raramente a Dança do Ventre hoje é praticada como um ritual religioso, mesmo que muitos ainda a vejam como uma prática sagrada. A característica mais evidente hoje da Dança do Ventre é cultural, artística e profissional.
    Cultural porque ela faz parte da tradição, do patrimônio cultural de muitos países, principalmente árabes, nos quais a dança é transmitida de uma geração a outra. Neste sentido, poderíamos dizer que a Dança do Ventre tem o mesmo significado para os países árabes que o tango tem para a Argentina, o flamenco para a Espanha e o samba para o Brasil. São danças que compõem o patrimônio cultural de cada país.
     A característica artística e profissional da Dança do Ventre se manifesta nas pessoas que a estudam, treinam, ensinam, se apresentam. Ou seja, quando a Dança do Ventre se transforma na profissão de muitas pessoas. Isso acontece atualmente tanto nos países árabes quanto nos países ocidentais, onde há bailarinas e professoras de Dança do Ventre. No passado histórico supõe-se que a Dança do Ventre tivesse caráter informal de aprendizagem. Ou seja, não havia escolas que ensinavam a dançar, fato que é muito diferente do que ocorre hoje. Tampouco havia preocupações quanto à sua técnica, quanto à sua forma de realização.

Era basicamente uma dança de caráter sagrado praticada somente por mulheres, nas quais umas aprendiam com as outras informalmente, não necessitando de aulas para tal. Muitos anos após seu provável surgimento, a Dança do Ventre passou por muitas e diversas influências culturais de diferentes épocas e países, e sofreu as alterações de países ocidentais onde ela chegou. Por exemplo, podemos dizer que as suas características de aprendizagem e de realização modificaram-se bastante.
Atualmente, principalmente no ocidente quando uma mulher quer aprender a Dança do Ventre, ela geralmente faz aulas, estuda, ensaia, treina. O que mostra sua característica de dança artística.

Dança do ventre deixa a barriga flácida?

A dança do ventre é um estilo que sofre ainda certo preconceito. Uma das ideias mais difundidas, sem dúvidas, é de que a dança deixa a barriga flácida. Pois temos uma ótima notícia para você: isso é um grande mito!
Sem a instrução adequada, a dançarina pode executar os movimentos incorretamente e isso pode, a longo prazo, deixar a região flácida, mas não por culpa da dança e sim pela execução falha dos movimentos.
Esse estilo de dança trabalha a musculatura da região abdominal e suas três partes: inferior, oblíquo e reto. Quando a dançarina executa os movimentos com a postura correta, ou seja, com o quadril encaixado, essa musculatura de desenvolve e, consequentemente, deixa a região definida.
Além disso, a dança do ventre acelera o metabolismo e os movimentos bem executados também aquecem a região subcutânea do abdômen e ajudam a queimar gordura.

Maiores benefícios da dança do ventre

Temos certeza que, a essa altura, você está mais empolgada com a dança do ventre pois descobriu que ela não deixa a barriga flácida e ainda ajuda a queimar calorias. Vamos conferir alguns outros benefícios da dança para você ficar ainda mais entusiasmada?

Benefícios da Dança do Ventre

Nossos professores

Adriana Bele Fusco

Rachel Moreno

Juliana Nagahara